Release details

2017-11-28 07:00 CET
  • Print
  • Share Share

A maioria dos consumidores deixaria de fazer negócios com empresas após uma violação de dados, conclui pesquisa da Gemalto

  • Somente um quarto (27%) dos consumidores sente que as empresas levam muito a sério a segurança dos dados dos clientes
  • Embora 62% dos consumidores sintam que as empresas são responsáveis pela segurança dos dados, eles possuem hábitos de segurança falhos e não seguem as medidas de segurança disponíveis, como autenticação de dois fatores (41%) para contas de suas redes sociais

Amsterdã, 28 de novembro de 2017 - A maioria (70%) dos consumidores deixaria de fazer negócios com uma empresa se esta sofresse uma violação de dados, de acordo com uma pesquisa com mais de 10 mil  consumidores de todo o mundo realizada em nome da Gemalto, líder mundial em segurança digital. Além disso, sete em cada dez consumidores (69%) sentem que as empresas não levam muito a sério a segurança dos dados dos seus clientes.

Apesar dessas preocupações, o estudo da Gemalto concluiu que os consumidores falham em proteger-se no mundo online, com mais da metade (56%) ainda utilizando a mesma senha para várias contas digitais. Mesmo quando as empresas oferecem soluções robustas de segurança, como autenticação de dois fatores, dois quintos (41%) dos consumidores admitem não usar a tecnologia para proteger suas contas nas redes sociais, deixando-os vulneráveis à violação de dados.

Isso pode ocorrer porque a maioria dos consumidores (62%) acredita que a empresa que detém seus dados é a maior responsável por sua segurança. Assim, as empresas são forçadas a realizar etapas adicionais para proteger os consumidores e pôr em prática medidas de segurança, bem como educá-los sobre os benefícios de sua adoção. Concluiu-se que varejistas (61%), bancos (59%) e sites de redes sociais (58%) têm bastante trabalho a fazer, sendo os setores que os consumidores deixariam se sofressem uma violação.

"Os consumidores estão evidentemente felizes em abrir mão da responsabilidade de proteger seus dados, mas esperam que sejam mantidos em segurança sem qualquer esforço de sua parte", disse Jason Hart, CTO de Identidade e Proteção de Dados na Gemalto. "Diante da iminência de regulamentações como a GDPR, agora cabe às empresas garantir que estão forçando a utilização de protocolos de segurança para seus clientes para manter os dados seguros. Não é mais suficiente oferecer essas soluções como opção. Esses protocolos devem ser obrigatórios desde o início - caso contrário, as empresas enfrentarão não só consequências financeiras, mas também ações jurídicas dos consumidores."

Apesar do seu comportamento, a preocupação com a segurança dos consumidores é alta, já que dois terços (67%) têm receio de serem vítimas de uma violação de dados no futuro próximo. Consequentemente, os consumidores agora responsabilizam as empresas - se seus dados forem roubados, a maioria (93%) dos consumidores realizaria ou consideraria realizar medidas jurídicas contra a empresa comprometida.

Os consumidores confiam mais em alguns setores do que em outros

Quando se trata das empresas em que os consumidores menos confiam, mais da metade (58%) acredita que os sites de redes sociais são uma das maiores ameaças aos seus dados, com um em cada cinco (20%) receoso com sites de viagens - o dado preocupante é que um em cada dez (9%) acha que nenhum site oferece risco.

Por outro lado, um terço (33%) dos consumidores confia seus dados pessoais mais aos bancos, apesar de serem alvos frequentes e vítimas de violações de dados, enquanto órgãos reconhecidos do setor (12%), fabricantes de dispositivos (11%) e o governo (10%) sejam os próximos da lista.

Hart continua: "É impressionante que os consumidores agora estejam colocando seus próprios dados em risco, ao não utilizarem essas medidas, apesar das crescentes preocupações em relação à sua segurança. Isso resulta em uma quantidade alarmante de violações - 80% - sendo causadas por credenciais fracas ou previamente roubadas. Algo tem que mudar logo tanto para as empresas quanto para os consumidores, ou a situação tende a piorar."

Recursos adicionais

Sobre a pesquisa

10.500 consumidores adultos foram entrevistados pela Vanson Bourne globalmente. Os países incluídos foram EUA, Reino Unido, França, Alemanha, Índia, Japão, Austrália, Brasil, Benelux, EAU e África do Sul. Todos os entrevistados utilizam ativamente serviços bancários online/em dispositivos móveis, contas de redes sociais ou contas de varejo online.

Sobre a Gemalto

A Gemalto (Euronext NL0000400653 GTO) é líder mundial em segurança digital, com receitas anuais de € 3,1 bilhões em 2016 e clientes em mais de 180 países. Nós levamos confiança a um mundo cada vez mais conectado.

De software seguro até biometria e criptografia, nossas tecnologias e serviços permitem que empresas e governos autentiquem identidades e protejam dados, de maneira que fiquem seguros e possibilitem serviços em dispositivos pessoais, objetos conectados, na nuvem e entre eles.

As soluções da Gemalto estão na essência da vida moderna, desde o pagamento à segurança corporativa, passando pela Internet das Coisas. Nós autenticamos pessoas, transações e objetos, criptografamos dados e criamos valor para o software - possibilitando que nossos clientes protejam serviços digitais para bilhões de pessoas e coisas.

Nossos mais de 15.000 funcionários estão distribuídos em 112 escritórios, 43 centros de personalização e de processamento de dados e 30 centros de desenvolvimento de software, localizados em 48 países.

Para saber mais, visite http://www.gemalto.com.br ou siga no Twitter @gemaltolatam e no LinkedIn em www.linkedin.com/company/gemalto.

Contato de Imprensa da Gemalto

Tauri Cox
América do Norte
+1 512 257 3916
tauri.cox@gemalto.com
Sophie Dombres
Europa, Oriente Médio e África
+33 4 42 55 36 57 38
sophie.dombres@gemalto.com
Jaslin Huang
Ásia-Pacífico
+65 6317 3005 
jaslin.huang@gemalto.com
 

Enriqueta Sedano
América Latina
+52 5521221422
enriqueta.sedano@gemalto.com
   

O conteúdo deste comunicado de imprensa é uma tradução e não deverá, em qualquer circunstância, ser considerado oficial. A versão original do comunicado de imprensa em inglês é a única versão confiável e deverá prevalecer no caso de haver discrepâncias com a tradução.

HUG#2152335